Curso Ventilação Mecânica DESCOMPLICADA – VDM 2020

Um salto na carreira dominando a Ventilação Mecânica, até mesmo para quem tem muitos anos de profissão.

As inscrições encerram em: 21/09/2020 às 23:59.

Porque você deve escolher o VMD:

Angústia, insegurança, medo. Estes são sentimentos recorrentes dentro dos seus plantões quando precisa configurar um Ventilador Mecânico? Ou que tal “Vou deixar isso para o próximo plantão resolver…”, “Ainda bem que fulano está aqui hoje pra resolver isso…”.

É… se você sente ou pensa pelo menos um dos itens acima então o VMD, com certeza, vai ser importante para você.

“Mas se até hoje eu não consegui aprender VM, como o VMD vai me ajudar agora?”

Você já passou pela situação abaixo?
Suas aulas até hoje foram apenas horas sentadas ouvindo o professor falar e passar inúmeros slides, a ponto de você se dar conta que a aula já acabou e você não entendeu nada. Sim? Então o VMD é para você!.

“Se eu adquirir e só depois perceber que não serve pra mim?”

Por acaso já comprou um bilhete na loteria, esperou o resultado sair, não foi contemplado e pôde pegar o seu dinheiro de volta? No VMD é assim: você pode fazer sua inscrição, constatar a qualidade do conteúdo e, se no prazo de 30 dias não superar suas expectativas, é só solicitar o reembolso e você tem todo o seu dinheiro de volta.

GARANTIA INCONDICIONAL


Você tem até 30 dias para constatar a eficiência do nosso método. Caso não lhe agrade devolveremos 100% seu dinheiro.

Tire suas dúvidas clicando no botão abaixo:

Compartilhar:

Márcia Alcântara Holanda: Covid-19: solidão, depressão e suicídio

Manu, de nome Manuel, viúvo de 79 anos, amigo de Rita, minha amiga (nomes fictícios de pessoas reais), comunicava-se sempre com ela, há anos. Durante o isolamento social para controle da Covid-19, em 16 de março deste ano, Manu passou a falar pouco. Um dia, até lembrou-se do quanto, divertiram-se muito juntos, mas que no isolamento do quarto, de seu apartamento, onde viviam mais três pessoas, sentia-se muito infeliz. No centésimo dia daquele isolamento, trocara zaps com Rita e, queixara-se de estar imensamente triste. Com a chegada da pandemia e enclausurado, sua existência sumira, disse. Seus familiares protegiam-no ao máximo, pois era idoso e, por isso, vulnerável àquela virose. Tinham medo de que ele morresse. Dissera também que não havia TV, redes sociais, caminhadas em círculos dentro do quarto, que trouxessem alento àquela vida, sem vida. Perdera a esperança; a incerteza dominara seu pensamento. Deduzira: “Sou apenas um velho que pega doenças à toa”. Estava com medo, que somara-se ao da família.

Quando chegou a hora de largar o isolamento, não o fez. Deixara de funcionar: nem banho queria tomar. “Alimentar-se para que, se nem existia?”, falou. Rita sentiu a evidência da depressão nele. Tentou dissuadi-lo do medo e o estimulou a consultar-se. Ele, então, silenciou seu celular e sua voz. Em 4 de julho fora tirado daquele quarto, morto por enforcamento.

A Covid-19 tem levado muitos “Manus” ao suicídio. A “gripezinha” é mortal também pelo isolamento do ser, pouco assistido; promove a solidão, que leva à depressão e, as vezes, ao suicídio que mata um indivíduo, a cada 40 segundos no Mundo, diz a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Andrew Solomon, autor do livro O demônio do meio-dia, acrescenta em entrevista à Folha de S. Paulo, que a depressão está subnotificada e citou a pandemia da Covid-19 como um dos fatores, provocadores da doença, pelo isolamento, gerando solidão, incertezas sobre o presente e o futuro, medo e disfuncionalidade do ser, que pode não suportar o intenso sofrimento transitório do viver, levando-o ao suicídio. Aos que desejam controlá-la, recomendou ter rotinas como: dormir e alimentar-se bem, não exagerar nas bebidas, frequentar as redes sociais, conversar muito e pedir ajuda terapêutica, pois a depressão tem controle. 

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é Marcia-Alcantara_Opovo.jpg

Dra. Márcia Alcântara Holanda
Médica pneumologista; coordenadora do Pulmocenter;
Membro da Academia Cearense de Medicina
pulmocentermar@gmail.com

Fonte: O Povo

Compartilhar:

“Essa cena só vai durar até quando nós vencermos a epidemia do COVID 19, dentro em breve. Por isso fique em casa”

Só agora estou tomando fôlego na minha empreitada, frente ao controle dessa pandemia que mexe fundo com todos nós. Segui fazendo isso que verão abaixo:

  1. Conscientização por 4 semanas seguidas sobre a doença: o que é e como se previne, para os nosso 46 reabilitandos/as do Pulmocenter.
  2. Promoção de vacinação contra H1N1 e influenzas para todos/as ELES E ELAS;
  3. Orientação contínua para que fiquem em casa. E estão!!!!
  4. Promoção de tele atividades físicas para eles – sessões com orientação virtual, há 7 dias, nas segundas, quartas e sextas feiras; ATÉ HOJE NENHUM ADOECEU DE QUALQUER ENFERMIDADE E, ESTÃO AMPARADOS por seus respectivos médicos, e NOSSA EQUIPE.
  5. Preparação da equipe do Pulmocenter para a quarentena. O Pulmocenter fechou suas portas, mas mantem seus clientes completamente atualizados!! Montamos um trabalho à distância, que até agora está muito bem; NOSSOS COLEGAS PARTICIPAM DESSE MOMENTO.
  6. Estamos contando com a formidável organização e estrutura de suporte ao NOSSO POVO, no controle da disseminação do COVID 19, pelo ótimo e presente governo do Estado do CEARÁ e do Município de Fortaleza. Nosso POVO esta muito bem CUIDADO pelos SUS-CE.
  7. Encaminho os melhores links para se atualizarem quanto a evolução epidemiológica da doença e dicas sobre vacinação e prevenção.

Abraço a todos e FIQUEM EM CASA!! FIQUEM EM CASA!!! FIQUEM EM CASA!!! OS QUE DESEJAREM SE CONTACTAR COMIGO, PODEM ENVIAR ZAP. NÃO TENHO MENSSEGER, MAS CONVERSO COM QUEM PROCURAR.

Boa semana, em casa.

DraMarcia

Dra. Márcia Alcantara Holanda
Médica pneumologista; coordenadora do Pulmocenter; membro da Academia Cearense de Medicina
pulmocentermar@gmail.com

Compartilhar:

Os Pulmões e os Micro Algozes da Humanidade

Alguns vírus, bactérias, fungos e partículas poluentes ambientais, são “zilhões”, de micro algozes que veem dizimando a humanidade. Eles ganham o caminho dos pulmões, seus principais órgãos de choque e de via da morte. Os seres que os recebem podem ser executados por falência respiratória. São os casos, por exemplo, dos vírus das gripes: Espanhola(1918), Asiática(1957), SARS –CoV(2003)- H1N1(2009) e agora do 2019-nCoV (coronavírus). A razão é simples: são os pulmões, os órgãos de maior extensão de contato do nosso corpo com o meio ambiente. Mais do que nossa pele. Por isso, são eles que primeiro têm de se haver com tais vírus, que suspensos no ar, os bombardeiam impiedosamente, noite e dia, nos quatro cantos da Terra, mas que quando estão em estado hígido, tornam-se os maiores campeões de defesa, quase imbatíveis, contra esses seus algozes impiedosos, a favor da vida

Na imensa maioria das vezes, antes de serem minados, livram-se desses agressores, na sua porta de entrada: as vias aéreas superiores. Porém, se por algum motivo: seja por inalação de grandes quantidades dos invasores, ou do seu grande poder deletério, os mais de trezentos milhões de alvéolos pulmonares, cuja área de contato com o ambiente é de 200m2, reagem heroicamente por seus humores e células especiais que processam e rebatem aqueles, englobando-os, neutralizando-os e até os destruindo. Só algumas vezes é que sucumbem. É assim que ora está acontecendo em Wuhan –  China, onde se alastra o 2019-nCov pelos pulmões de humanos, ganhando o mundo. Entretanto, são muitos os que resistem a esse novo algoz da humanidade: a grande maioria dos que os albergam, têm apenas sintomas de um resfriado moderado; menos de 9,5% têm pneumonia e 2% vão a óbito. (The Lancet, 20/01/2020). Com vontade política de controlar a virose mortal, é hora de nos espelharmos no quanto e como o governo chinês tem se comportado para conter a epidemia do 2019-nCoV, evitando, até agora, uma endemia.

Seu ponto de origem sendo respiratório, da incubação à doença, medidas simples como tossir, espirrar e falar, com o lenço na boca e nariz dos doentes e, lavagem assídua das mãos, salvaguardam os pulmões, minimizando o saldo negativo dessa epidemia.  


Dra. Márcia Alcantara Holanda
Médica pneumologista; coordenadora do Pulmocenter;
Membro da Academia Cearense de Medicina
pulmocentermar@gmail.com

Fonte: O Povo

Compartilhar:

Medidas de higiene derrubam infecção hospitalar

Aplicada em 119 hospitais públicos de 25 estados, iniciativa aumentou a segurança nos cuidados com os pacientes e ajudou a economizar recursos

Nas UTIs, tubos, acessos e cateteres são itens indispensáveis, mas também potenciais focos de contaminação. Para reduzir esse risco, o Proadi-SUS, grupo de instituições privadas que dá suporte à rede pública, implementou o Saúde em Nossas Mãos.

O trabalho tem como foco a diminuição de infecções na corrente sanguínea e no trato urinário, assim como de pneumonia associada à ventilação mecânica. O intuito é fazer uma revisão dos processos, desde medidas simples, como lavar as mãos, passando pelo protocolo na colocação de sondas e na manipulação de medicamentos.

“O projeto busca também estimular a troca de conhecimento e experiências, com encontros presenciais e virtuais”, conta a enfermeira Claudia Garcia de Barros, coordenadora do programa.

Iniciado em janeiro de 2018, ele já fez despencarem em 46% as infecções por cateter na veia e em 62% aquelas relacionadas a sondas urinárias. Veja abaixo mais dados dos resultados do projeto:

4 066 infecções evitadas
149 milhões de reais de economia ao SUS
1 411 vidas salvas

(Foto: Eucyln/Getty Images)

Fonte: Saude.abril

Compartilhar: