Conheça o Programa de Reabilitação Pulmonar do Pulmocenter

Consiste em um programa de exercícios aeróbicos, caminhadas em esteiras e pedaladas em bicicletas, ambas ergométricas; treinamento em subidas e descidas de escada; aplicação de força em máquinas de musculação e funcionais; alongamentos e relaxamentos, práticas do uso da atenção plena, como o treinamento em técnicas de consciência corporal; atividades educativas, aplicado no tratamento e no controle da Doença Pulmonar Crônica.

Saiba Mais: http://bit.ly/2JiZgRF

21 de Junho | Dia Nacional de Controle da Asma

“Olá amigos, Bom dia.
Hoje é o Dia Nacional de Controle da Asma.
 
Nós cearenses, temos muito a comemorar porque o Programa de Atenção Integral à Criança e Adulto com Asma de Fortaleza, o PROAICA, em apenas quatro anos de sua reestruturação, reduziu os internamentos de 3.400 em 2013 para 816 em 2017; aumentou o número de pacientes cadastrados e controlados, de apenas 3.000 para 12.000.
 
A meta será reduzir ainda mais o sofrimento de nossos asmáticos, e até levar as mortes a nível zero, até 2021. 
 
Quem tiver asma e quiser se livrar das crises e da morte pela doença, procure o PROAICA, um PROGRAMA reconhecido pela Sociedade Brasileira de Pneumologia como exitoso, entre tantos outro.
 
Parabéns aos que iniciaram e aos que hoje empunham a mesma bandeira idealista de controle da asma dos fortalezenses. “VIVA O PROAICA”. Apresentação dos números da ASMA em Fortaleza e o nosso Guia de Bolso, que tem tudo sobre como controlar a doença. ”
.

Fonte: FASTMEDIC/SMS – Fortaleza
Fonte: DATASUS/AIH. * Dados sujeitos à modificação.
 *2018 dados de janeiro à maio

Guia de Bolso
.
Coordenação da Dra. Joana Rafaela
Comemorações e capacitações no Dia Mundial da Asma 2018

Você já parou para escutar os seus pulmões?

Esse é o mote de uma nova campanha de conscientização sobre problemas respiratórios. O diagnóstico precoce e o tratamento correto evitam muitas complicações

Asma e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) não são brincadeira: juntas, elas atingem mais de 27 milhões de brasileiros e 510 milhões de indivíduos em todo o planeta. A duas são marcadas pela interrupção do fluxo de oxigênio, o que leva a crises de falta de ar que podem até levar à morte.

Chama a atenção ainda o fato de 20% dos asmáticos terem uma versão grave da enfermidade e, desses, 5% estarem com o quadro fora de controle. Enquanto isso, estima-se que a DPOC se tornará, até 2030, a terceira maior causa de morte no mundo (só ficará atrás de distúrbios cardiovasculares e câncer).

Números tão assustadores motivaram a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e a farmacêutica GSK a lançarem a campanha “Escute Seu Pulmão”. A ideia é alertar as pessoas sobre a gravidade dessas duas doenças e a importância de procurar o profissional de saúde caso você sinta alguma dificuldade para respirar ou sintomas como tosse, sibilos, falta de ar e opressão no tórax.

“Muitas vezes, o sujeito tem alguns incômodos e acha que é normal ou passageiro. Nossa recomendação é que ele escute e preste atenção nos sinais que os pulmões dão e, assim, consulte o médico o quanto antes”, destaca o pneumologista Marcelo Gervilla Gregório, da SBPT.

Para reunir todas as informações sobre o tema, foi criado um site. A plataforma, que pode ser acessada aqui, trará vários conteúdos especiais sobre asma e DPOC e ficará no ar até o mês de setembro.

Por André Biernath
Ilustração: André Moscatelli/SAÚDE é Vital
Fonte: saude.abril.com.br/medicinapulmão

Musculação pode ser uma arma no combate à depressão

Estudo revela que esse tipo de exercício físico ameniza sintomas depressivos

Digamos que o ditado “mente sã, corpo são” também poderia ser lido de trás pra frente, segundo um artigo publicado no periódico JAMA Psychiatry. No estudo, foi demonstrado que exercícios físicos resistidos, além de benéficos para o corpo, ajudam a aliviar os sintomas da depressão – “corpo são, mente sã”.

Os cientistas da Universidade de Limerick, na Irlanda, queriam descobrir se havia alguma associação entre esse tipo de treinamento – representado pela boa e velha musculação – e os sintomas depressivos. Para isso, reuniram dados de 33 pesquisas clínicas, com quase 2 mil participantes.

A partir daí, eles observaram uma redução de 44% nos indícios da doença entre a turma que puxava ferro. De acordo com a revista Time Health, os autores do trabalho compararam esse efeito ao de remédios antidepressivos ou terapias comportamentais.

“O treino resistido diminuiu significativamente os sintomas depressivos entre adultos, independentemente do estado de saúde, do volume total prescrito de exercícios ou mesmo do aumento na força”, escreveram os pesquisadores no artigo. Dito de outra forma, você não precisa virar o Hulk para conquistar esse benefício.

E dá para ir além da musculação. Pesquisas anteriores sugerem que a ioga e outras práticas também seriam efetivas no combate à depressão.