Telinhas, telas, telonas e os vícios

“Vício é um hábito repetitivo que, leva a pessoa e seus conviventes a terem prejuízos físicos, emocionais ou sociais”. “Vício é uma doença bio-psico-social”, diz a OMS.

Digo que sou uma caixa de vícios, atualmente fechada, mas que poderá por algum motivo físico ou emocional, voltar a se abrir, por não ter cura.

Para mantê-la assim, fui psicanalisada e estudei o fenômeno vício, cientificamente, por leituras e cursos Mooc como: The Addicted Brain por Michael Kuhar da Emory University e Synapsis Neurons and Brain de Idan Segev da Hebrew University of Jerusalen.

Uma questão vital para se alcançar esse controle, é saber porque se fica viciado. Os fatores mais frequentes que levam alguém ao vício, são: ser filho de pais viciados ou ausentes, ter sofrido traumas emocionais ainda no útero ou na infância, ter baixa da autoestima e outros mais.

O protagonista de nossos vícios é o neurônio, célula nobre do Sistema Nervoso central.

A Neurociência diz que essa célula, tem “inteligência” própria, muda de acordo com assédios bio-psico-social. Remodelam-se, renascem, geram novos, de acordo com hábitos de cada um de seus donos.

As drogas são até agora as campeãs em gerar vícios, mas um novo elemento surge agora, via tecnologia da comunicação. São as telinhas dos smartphones, iPads, computadores e TV provocando vícios que levam ao atraso do desenvolvimento pessoal e do aprendizado comum das crianças. Um artigo do The New York Times republicado pela Folha de S.Paulo no último dia 25, diz que experts da tecnologia afastam seus próprios filhos de tablets e smartphones, porque há evidências de que o uso descontrolado desses aparelhos viciam muito crianças e adolescentes. Além desse atraso, ainda geram nelas, doenças psíquicas, como ansiedade, depressão, obesidade e outras.

O estimulo das telinhas, promovem nos neurônios o desencadeamento de prazeres efêmeros, semelhantes aos das drogas e levam à compulsão para com seu uso doentio.

Bill Gates e Steve Jobs não permitiram que seus filhos usassem iPads e smartphones, antes de ultrapassarem a adolescência. Precisamos logo agir, antes que as telinhas dizimem, sem piedade, o aprendizado necessário à vida e o bom controle emocional das gerações por vir.

DraMarcia

Dra. Márcia Alcântra Holanda

Médica pneumologista; coordenadora do Pulmocenter; membro da Academia Cearense de Medicina
pulmocentermar@gmail.com
FonteO povo

Compartilhar:

Como evitar ou tratar a depressão? Com exercício físico

A ciência confirma o papel da atividade física na prevenção e no controle da depressão, um mal que se alastra em proporções epidêmicas

É triste dizer, mas a depressão está no ar. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 300 milhões de pessoas sofrem com o problema atualmente – houve um aumento de 18% entre 2005 e 2015. E a tendência é que esse número não pare de crescer. Alarmada, a própria OMS lançou um apelo aos países: é hora de todos incluírem o tema em suas políticas públicas de saúde. Acontece que não basta dar remédio a esse montão de gente que está com a mente em apuros. A solução, tanto em matéria de prevenção como no tratamento, engloba outros ajustes, como mudanças de hábito. Nesse sentido, pode apostar: teremos de suar a camisa para reverter a situação. Literalmente.

Novos estudos reforçam o poder da atividade física para o bem-estar psicológico. A ponto de o exercício virar prescrição para pessoas deprimidas (ao lado da psicoterapia e dos medicamentos). “Hoje, em toda especialidade, qualquer médico vai listar uma série de benefícios das atividades esportivas. Na psiquiatria, isso se aplica à depressão”, diz o psiquiatra Marcelo Fleck, chefe do Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Embora os impactos do esforço físico na esfera mental sejam um campo de pesquisa novo, multiplicam-se evidências de que caminhar, pedalar e malhar melhoram a qualidade de vida de quem anda pra baixo. “É provável que o efeito do exercício se aproxime muito ao dos antidepressivos”, conta Fleck.

Sabe-se que os esportes promovem a liberação de endorfina, o hormônio do prazer, e de outros neurotransmissores por trás da sensação de bem-estar. Experimentos recentes mostram que suar a camisa também estimula o crescimento de células nervosas no hipocampo, região do cérebro que rege a memória e o humor. Um alento e tanto se você pensar que essa estrutura costuma ser menor entre os sujeitos deprimidos.

Esse estímulo aos neurônios é o que ajuda a entender os reflexos positivos de longo prazo – vai muito além, portanto, da sensação imediata de prazer e dever cumprido após a academia. “A liberação de hormônios não é o que faz a pessoa melhorar. A superação da doença tem a ver com a regeneração neuronal”, revela o educador físico e doutor em psiquiatria Felipe Schuch, do Centro Universitário La Salle, em Canoas (RS). Só que esse efeito terapêutico depende de regularidade.

Continue lendo
Compartilhar:

Musculação pode ser uma arma no combate à depressão

Estudo revela que esse tipo de exercício físico ameniza sintomas depressivos

Digamos que o ditado “mente sã, corpo são” também poderia ser lido de trás pra frente, segundo um artigo publicado no periódico JAMA Psychiatry. No estudo, foi demonstrado que exercícios físicos resistidos, além de benéficos para o corpo, ajudam a aliviar os sintomas da depressão – “corpo são, mente sã”.

Os cientistas da Universidade de Limerick, na Irlanda, queriam descobrir se havia alguma associação entre esse tipo de treinamento – representado pela boa e velha musculação – e os sintomas depressivos. Para isso, reuniram dados de 33 pesquisas clínicas, com quase 2 mil participantes.

A partir daí, eles observaram uma redução de 44% nos indícios da doença entre a turma que puxava ferro. De acordo com a revista Time Health, os autores do trabalho compararam esse efeito ao de remédios antidepressivos ou terapias comportamentais.

“O treino resistido diminuiu significativamente os sintomas depressivos entre adultos, independentemente do estado de saúde, do volume total prescrito de exercícios ou mesmo do aumento na força”, escreveram os pesquisadores no artigo. Dito de outra forma, você não precisa virar o Hulk para conquistar esse benefício.

E dá para ir além da musculação. Pesquisas anteriores sugerem que a ioga e outras práticas também seriam efetivas no combate à depressão.

Compartilhar:

Depressão, ansiedade e outros inimigos invisíveis do coração

Psicóloga destrincha o impacto da depressão e da ansiedade no risco cardiovascular. Melhor dar mais atenção à saúde mental

A depressão, a ansiedade e a síndrome do pânico, desordens mentais muitas vezes negligenciadas entre a família e os amigos devido ao desconhecimento que ainda existe sobre essas doenças, são um problema sério e cada vez mais comum. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), hoje existem mais de 350 milhões de deprimidos em todo o planeta. Continue lendo

Compartilhar: